Mitos Sobre Nutrição Esportiva

No reino do fisiculturismo e fitness, muitas vezes é difícil entender o que é verdade, mas o que dizer de mito e ficção? Todo atleta tem sua própria opinião e, muitas vezes, a opinião é baseada em rumores, desinformação ou dez outros comerciais exibidos na imprensa da noite. Muitos mitos prevalecem até hoje, apesar do fato de terem sido minuciosamente estudados e refutados pela ciência oficial.

Neste artigo, vamos considerar 14 os mitos mais comuns sobre nutrição esportiva. Primeiro, vamos introduzir o próprio mito e depois dizer a verdade que ele dissipa esse mito. Se você conhece os mitos não mencionados neste artigo, você pode fazer suas próprias investigações e estudar cuidadosamente todos os argumentos a favor e contra. Suplementos nutricionais são freqüentemente apresentados como inúteis e perigosos, mas essa afirmação não tem nada a ver com a verdade.

Mito 1: A proteína sérica promove a obesidade

A proteína do soro não contribui para a obesidade. O corpo começa a engordar apenas se o conteúdo energético (conteúdo calórico) da dieta exceder suas necessidades e a ingestão diária de proteína na dose apropriada promover o crescimento muscular máximo. Mas se sua dieta não é suficiente proteína, seu corpo é extremamente difícil de construir músculos esqueléticos.

Mito 2: Nutrição Esportiva – Dinheiro para o Vento

Há um grande número de medicamentos realmente úteis e eficazes no mercado que contribuem para o recrutamento de massa muscular e têm um efeito rejuvenescedor no corpo. Apenas lembre-se de que drogas desnecessárias e desnecessárias com propriedades excessivamente exigentes (geralmente oferecidas pelos vendedores) levam você a sair do produto, o que realmente aumenta a eficácia do seu treino.

Mito 3: Quando eu vou certo, não preciso de medicação

Uma dieta balanceada é um bom começo, mas não fornece todos os nutrientes na íntegra. Necessidades nutricionais diárias são afetadas pela idade, saúde, estresse e treinamento intenso. A nutrição esportiva será um contrato de seguro que preencherá uma lacuna.

Mito 4: Todos os produtos com aproximadamente a mesma qualidade

Nem todas as drogas são tão boas. Diferentes empresas aderem a princípios diferentes, compram matérias-primas de baixa qualidade e, portanto, têm uma vantagem no preço. Não escolha uma nutrição esportiva com foco apenas no preço – nesse caso, você corre o risco de ejetar dinheiro. Em vez disso, examine as avaliações dos pares e aprenda a avaliação especializada dos produtos mais vendidos.

A creatina não tem relação com esteróides. A creatina é um composto químico natural que é encontrado no corpo humano e ajuda a fornecer energia às células musculares. E os esteróides anabolizantes são drogas farmacológicas que imitam o efeito da testosterona, e geralmente são tomadas em doses muito altas e perigosas. Embora a creatina seja um produto natural seguro, o uso de esteróides está repleto de muitos efeitos colaterais potencialmente perigosos.

Mito 6: Mesmo que você não tenha exercício, a nutrição esportiva promove a massa muscular e aumenta a força

Suplementos nutricionais terão um efeito regenerativo, ajudarão com o estresse, melhorarão a qualidade do sono e fortalecerão o sistema imunológico, mas não são comprimidos mágicos, nem pó mágico, que o transformarão em um fisiculturista gigante. A nutrição esportiva melhora a eficácia do treinamento, mas não fará mais e mais do que aquele que se esqueceu de ir ao ginásio.

Mito 7: A nutrição esportiva tem vários efeitos colaterais

A maior parte dos ingredientes dos aditivos alimentares é encontrada no corpo humano e está presente na dieta diária. A ingestão adequada de drogas raramente leva ao desenvolvimento de efeitos colaterais.

Mito 8: A creatina tem um efeito adverso nos rins

Graças à popularidade muito alta, este intensificador de potência foi cuidadosamente estudado durante vários testes clínicos. Tem sido demonstrado que a creatina é segura e não tóxica para pessoas com função renal (saudável).

Mito 9: A Creatina pode causar cãibras musculares

Como no mito anterior, ele foi espalhado por experimentos científicos. Além disso, um estudo descobriu que atletas que tomaram creatina sofreram menos de espasmos musculares, tensão muscular, trauma, desidratação e tensão muscular.

Mito 10: A nutrição esportiva funciona da mesma maneira em todos os momentos

Esta declaração não tem nada a ver com a realidade. Muitas vezes aprendemos que a creatina, os complexos de preparação ou o bombeamento de medicamentos em algumas pessoas são muito mais eficazes do que outros. Além disso, nem uma pessoa pode obter o efeito desejado a partir de produtos de marca única, mas experimentará plenamente os benefícios de um medicamento de terceiros. Portanto, não pense que uma vez que a droga não ajuda o seu amigo, isso não o ajudará.

Mito 11: Nutrição com alto teor de proteína é uma dieta pouco saudável

Não há estudos que confirmem que dietas ricas em proteínas tenham um efeito negativo em pessoas saudáveis ​​com função renal.

Mito 12: Atletas não precisam de outra fonte de proteína

Estudos mostraram que atletas com treinamento intensivo precisam de ingestão adicional de proteína. Exercite os escapes e até mesmo destrua o tecido muscular, e outro fluxo de moléculas de proteína ajuda a reparar e reparar as fibras musculares danificadas. Além disso, estudos mostraram que, se a proteína é deficiente em proteína (ou ingestão de proteína na chamada “norma”), os atletas começam a perder músculo.

Mito 13: Queimadores de gordura são um desperdício de dinheiro

Os queimadores de gordura mais populares são componentes reais de “armazenamento de armas” que aceleram os processos metabólicos e estimulam a queima de gordura. Claro, um queimador de gordura não é um produto milagroso que irá aliviar o excesso de peso, mesmo da pessoa que lhe dá tudo. Somente se a dieta correta for mantida em combinação com treinamento de força e exercícios aeróbicos, o queimador de gordura estimula os processos energéticos e acelera o metabolismo durante um longo processo de redução de peso.

Mito 14: Nosso corpo sintetiza ácidos graxos ômega-3 suficientes

O corpo humano não pode aceitar a síntese endógena ômega-3. O ômega-3 é um ácido graxo essencial, o que significa que a necessidade desses nutrientes precisa ser satisfeita com os alimentos. Suplementos nutricionais, como o óleo de fígado de bacalhau, suprem o corpo com ácidos graxos ômega-3 essenciais que são de imensa importância para atletas intensamente treinados, bem como para pessoas que mantêm uma dieta de baixa caloria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *